quinta-feira, 11 de julho de 2013

Cérebro quântico


Onde você focalizar sua atenção, você formará conexões.
Os neurónios comunicam-se entre si através de um tipo de sinalização eletroquímica. Essa sinalização exige que as ações dos íons individuais - sódio, potássio, e cálcio - fluam por canais que são, em seu ponto mais estreito, somente um pouco maior do que a largura de um único íon. Se você tiver uma noção básica de física quântica e newtoniana, percebe que o cérebro é um ambiente quântico e portanto está sujeito a todas as leis surpreendentes da mecânica quântica. Na mecânica quântica, a pergunta que  faz a si próprio em relação aquilo que observa influencia a resposta que terá. O mesmo ocorre com o cérebro. As perguntas que você faz ao seu cérebro afetam significativamente a qualidade das novas conexões que serão formadas, e alteram profundamente os padrões e tempo das conexões que o cérebro cria a cada fracção de segundo. Agora, substitua a frase "a pergunta que faz" pelo conceito de "atenção" e terá o enunciado "onde você focalizar sua atenção, formará conexões". Focalize sua atenção em algo novo e formará novas conexões. Temos comprovativos disso através de estudos de neuroplasticidade, onde a atenção focalizada possui um papel crucial na criação de mudanças físicas no cérebro.

Uma lei importante e validade na mecânica quântica chamada de "Efeito Zenão Quântico" é a chave para entendermos como a atenção concentrada pode reprogramar o cérebro. O Efeito Zenão Quântico foi descrito há 30 anos e é estudada desde então. Um exemplo clássico do efeito é que a observação rápida e repetida de uma molécula manterá a mesma em um estado estável. Há uma diminuição na velocidade de flutuação que a molécula demonstra quando não está sendo observada constantemente. Este é um princípio básico da física quântica - a velocidade da observação tem efeitos mensuráveis sobre o fenómeno em observação. O Efeito Zenão Quântico para aplicação neurocientífica determina que a ação mental de focalizar a atenção estabiliza os circuitos cerebrais associados com o que está sendo focado. Se você prestar atenção num certo conjunto de conexões cerebrais, isso manterá este circuito estável, aberto e dinamicamente vivo, permitindo que ele eventualmente se torne parte das conexões permanentes do cérebro.

As conexões que temos, ou seja, os  nossos mapas mentais, influenciam intensamente a realidade que enxergamos, mais do que os próprios estímulos. O efeito placebo é um exemplo clássico disto. Quando as pessoas sabem que acabaram de receber um analgésico, elas sentem uma redução intensa e sistemática da dor, apesar de, na realidade, terem recebido uma substancia completamente inócua, uma pílula de açúcar. Estudos abrangentes realizados pelo Dr. Donald Price da Universidade da Flórida mostraram que a responsável pela mudança na percepção da dor é a expectativa mental do alívio da dor, e que os centros de dor nos níveis cerebrais mais profundos mostram mudanças sistemáticas. Consistentes com essas mudanças. Em suma, a expectativa mental por si mesma altera profundamente o modo como o cérebro responde à dor. O Dr. Price esta atualmente realizando um trabalho para demonstrar que o Efeito Zenão Quântico explica estas conclusões. A expectativa mental de alívio da dor leva a pessoa a focalizar constantemente sua atenção na experiência de alivio da dor, ativando os circuitos cerebrais responsáveis pelo alivio da dor, e causando uma redução na própria sensação de dor. Em linguagem simples: O que esperamos é o que vivenciamos.

A densidade de atenção descreve o quanto de atenção prestamos ou o numero de observações que fazemos durante um período especifico. De forma mais simples, quanto mais focalizados estamos, quanto mais de perto observamos, maior é a densidade de atenção. É o termo que descreve nosso foco e concentração mental. Este conceito é tão importante em termos de física quântica porque é a densidade de atenção que produzo Efeito Zenão Quântico, e é ela que faz com que o circuito cerebral fique no seu lugar de um maneira dinamicamente estável. Com densidade de atenção suficiente, os pensamentos e ações mentais do individuo tornam-se parte de quem somos, parte de como nosso cérebro funciona. E portanto, desempenham um importante papel na maneira como percebemos o mundo. Em outras palavras, o poder está no foco. Aquilo onde escolhemos colocar a nossa atenção muda o nosso cérebro e muda a maneira como vemos e interagimos com o mundo.

 Texto baseado nos estudos de Jeffrey Schwartz 
 
 
Já alguma vez tinha pensado nisto? Espantoso, certo?
Deixe a sua opinião, o que sabe e pensa sobre o assunto.

Beijinhos neuronais!

Isa do blogue viver os sonhos3