quinta-feira, 7 de março de 2013

Ausência do julgamento

Sempre que julgamos é porque damos realidade ao que vemos. Dar realidade significa que nos identificamos com isso. Assim, percebemos que o que vemos é uma montagem do nosso cérebro com o programa dualista e que não passa de uma perceção temporária associada ao medo. O medo não se desfaz pela luta. Antes pelo contrário, ele desfaz-se quando o reconhecemos pela ilusão do que é. A ausência do julgamento só é possível quando assumimos quem somos, desidentificando-nos dos pensamentos, emoções e imagens que a mente dualista vai oferecendo. Tudo com o qual te identificas, fazes real para ti ... 
O segredo da salvação (liberdade) está na desidentificação e não na luta contra um dos lados da dualidade. Não julgar significa que a nossa mente, nem que seja por um instante, abriu um espaço onde a dualidade deixou de falar e o Ser Brilhou ...
Ideia a praticar: estes pensamentos não são quem eu sou ... eu posso ver paz em vez disso!
Adaptado de Isabel Ferreira
Queridos amigos este pequeno excerto dá que pensar sobre o que o medo e o ego fazem com a nossa vida. Estejam atentos e pratiquem o exercício proposto. Não demorará muito até sentirem resultados positivos na vossa vida dessa mudança.
Beijinhos corajosos!
Isa